Terapeuta Holístico Osmar Cláudio

Radiestesia, Iridologia e Fitoterapia são ferramentas utilizadas pelo Terapeuta Holístico Osmar Claudio, em Barra do Garças, Mato Grosso, no Ateliê Bem ti vi, ou Casa das Raizes, na entrada para o setor Jardim Araguaia
 
InícioInício  CalendárioCalendário  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Auto-hemoterapia, Dr. Fleming e os antibióticos... (94)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Admin
Admin


Mensagens : 166
Data de inscrição : 17/05/2010

MensagemAssunto: Auto-hemoterapia, Dr. Fleming e os antibióticos... (94)   Ter Maio 22, 2012 4:28 pm



Trabalhe em casa e nas horas livres divulgando a empresa FR Promotora e ganhe dinheiro sem sair de casa.
Além dos Ganhos, vários benefícios são disponibilizados na desenvoltura da atividade. Você pode chegar a ganhar R$ 8,000 reais somente divulgando a empresa, sem sair de casa.

Acesse http://www.frpromotora.com/44680233 e faça o cadastro e ativação.






Texto: Jorge Martins Cardoso (Médico – CRM 573)

No presente artigo deveríamos abordar a 3ª (terceira) versão sobre a gênese da auto-hemoterapia. No entanto, por causa de uma Tradução Juramentada, geneticamente mutacionada em Tradução Fidedigna, estamos temporariamente impedidos de continuar nossa missão anatômica. Devemos explicar ainda aos leitores, que dispomos de três fiéis colaboradores - por favor, não confundir com fidedignos - que são carinhosamente chamados de os 3 (três) mosqueteiros. Fisiologicamente, os 3 (três) mosqueteiros são assim classificados: 1º mosqueteiro - "Bisturí, a Máfia Branca". (a*). 2º mosqueteiro - "Um Estranho no Ninho". (b*). 3º mosqueteiro - "O Jardineiro Fiel". (c*).

Ausente a Tradução Juramentada e ausente a Tradução Fidedigna, para não quebrarmos um acôrdo de sangue, um pacto de sangue e um juramento de sangue, estamos sendo forçados a substituir a 3ª (terceira) versão sobre a gênese da auto-hemoterapia (de relevante valor histórico), por assuntos citológicos e alguns fenômenos correlatos. Antecipadamente, pedimos aos nossos leitores escusas macrofágicas, metabólicas, microscópicas e morfológicas. Pode ser até que a maioria dos leitores não estejam entendendo a mensagem "criptografada", agora os 3 (três) mosqueteiros devem entender do assunto muito bem. Espero.

No campo esperto da política é um pouco difícil criar-se um neologismo. Mesmo assim os nossos "nobres" políticos criaram o "mensalão". Sim, todos nós sabemos o que é mês, o que é mensal, e o que é mensalidade. Mas, o que é mensalão?... Curiosamente o neologismo "pegou". Com a última palavra o Supremo Tribunal Federal (STF).

No terreno misterioso da química a coisa é bem mais fácil. Basta tirar-se um átomo de uma molécula, e colocá-lo em outro lugar da mesma molécula, aí então, terá surgido um neologismo - quase sempre um novo "palavrão". Contudo, na química, o neologismo é difícl de "pegar".

Já na seara oficial da medicina também é relativamente fácil criar-se neologismos. É o que veremos mais adiante.

No trabalho científico do cirurgião norte-americano Dr. Michael W. Mettenleiter, intitulado "Autohemotransfusion in Preventing Postoperative Lung Complications" (o trabalho é de 1936), a palavra MONÓCITO aparece 3 (três) vezes, mas a palavra MONOCITOSE não aparece de maneira nenhuma. (1).

No brilhante trabalho científico do famoso cirurgião brasileiro Dr. Jésse Teixeira, intitulado "Autohemotransfusão: Complicações Pulmonares Postoperatórias - Contribuição à sua Prophylaxia" (o trabalho é de 1939), o termo MONÓCITO surge 4 (quatro) vezes, no entanto o termo MONOCITOSE não surge de forma alguma. (2).

No profundo e moderno - moderno em relação aos dois anteriores - trabalho científico do célebre imunologista brasileiro Dr. Ricardo Veronesi, intitulado "Imunoterapia: O impacto médico do século" (o trabalho é de 1976), o vocábulo MONÓCITO aflora 1 (uma) única vez, todavia o vocáculo MONOCITOSE não aflora de jeito nenhum. (3).

No notável trabalho científico do ilustre médico brasileiro Dr. Luiz Moura, intitulado "Auto-hemoterapia - Contribuição para a Saúde" (o trabalho é de 2004), a palavra MONÓCITO apresenta-se 1 (uma) única vez, entrementes a palavra MONOCITOSE não apresenta-se sob hipótese alguma. (4).

No parecer do Conselho Federal de Medicina - CFM, "intitulado" "Autohemoterapia - Parecer CFM nº 12/2007 na íntegra" (o parecer é de 2007), o termo MONÓCITO não aparece, mas, curiosamente, no "científico" parecer oficial, o termo MONOCITOSE aparece 3 (três) vezes. Ou seja, MONOCITOSE, MONOCITOSE e MONOCITOSE. (5).

Nos 4 (quatro) primeiros trabalhos científicos (1936, 1939, 1976 e 2004), elaborados por 4 (quatro) distintos médicos, enquanto a palavra MONÓCITO apareceu 9 (nove) vezes, a palavra MONOCITOSE não aparece de jeito nenhum. Todavia no parecer do CFM (2007), cujo relator é o médico Dr. Munir Massud, a "neológica" MONOCITOSE surge 3 (três) repetitivas vezes. Neologismo? Método científico? Confusão? Evidência científica? Sugestão? Rigor científico? Efeito Placebo? Valor científico?

Vejamos como a "intravascular" MONOCITOSE surge no parecer do Conselho Federal de Medicina (CFM):

"A afirmação de que o Sistema Retículo Endotelial é poderosamente estimulado pela auto-hemotransfusão e que isso é, em parte, comprovado pelo aumento do número de macrófagos na vesícula cutânea produzida pela inflamação induzida pela cantaridina, carece de explicações mais aprodundadas. A MONOCITOSE acompanha a neutrofilia nos processos inflamatórios, é mais tardia e persiste na convalescença (Failace, 2003). O autor (d*) não oferece uma análise crítica desses dados e nem há estudos a esse respeito. Ao que parece, a MONOCITOSE que surge em certos processos infecciosos é inconstante e de baixo valor preditivo, tanto que nas formas cavitárias e ganglionares da tuberculose há MONOCITOSE acompanhada de neutrofilia. Esse mecanismo parece carecer de estudos rigorosos e só pode ser tido como meramente conjectural." (página 15).

No mirabolante texto acima, que faz parte do parecer do CFM (página 15), o leitor mais atento poderá observar as expressões inflamação, MONOCITOSE, neutrofilia, processos inflamatórios, processos infecciosos, e tuberculose. Nos trabalhos científicos dos médicos Dr. Michael W. Mettenletter, Dr. Jésse Teixeira, Dr. Ricardo Veroseni e Dr. Luiz Moura, o vocábulo neutrofilia também não aparece de maneira alguma. Neologismo? Método científico? Confusão? Evidência científica? Sugestão? Rigor científico? Efeito placebo? Valor científico?

INFLAMAÇÃO? MONOCITOSE? NEUTROFILIA? PROCESSOS INFLAMATÓRIOS? PROCESSOS INFECCIOSOS? TUBERCULOSE? Os pacientes leitores podem ficar completamente tranquilos, porquanto, continuamos afirmando que a auto-hemoterapia é um processo SIMPLES, a auto-hemoterapia é BARATA (custo baixíssimo), a auto-hemoterapia é uma terapia absolutamente INOFENSIVA (desde que corretamente aplicada), na auto-hemoterapia NÃO EXISTE EFEITO PLACEBO, a auto-hemoterapia é uma terapia SECULAR e a auto-hemoterapia não ocasiona nenhum dos fenômenos acima mencionados, provocativamente citados no parecer do CFM. Aqui, o provocativamente é apenas uma suposição. Será?

Desconfia-se então, que o autor ou os autores do parecer, não sabendo explicar o "misterioso" aumento do número de macrófagos, e não querendo aceitar que a auto-hemoterapia possa realmente aumentar o número de macrófagos, enveredou-se pelo caminho "tortuoso" da MONOCITOSE, associando tal fenômeno (MONOCITOSE) - amplamente conhecido e reconhecido pela "comunidade científica" e pela maioria da classe médica - à inflamação, à infecção, à neutrofilia e até à tuberculose. Querer associar a auto-hemoterapia à MONOCITOSE e à NEUTROFILIA é querer associar a inofensiva auto-hemoterapia à mortais infecções, o que não deixa de ser um absurdo científico. Péssimo exemplo médico.

Descoberto o verdadeiro propósito, descarta-se a hipótese do "criacionismo neológico".

Ao insinuar que a inofensiva auto-hemoterapia provoca MONOCITOSE, o parecer do Conselho Federal de Medicina (CFM), supostamente científico, mais uma vez denigre a imunologia, acrescentando-se ainda, que amputa a hematologia, mutila a infectologia, aliena milhares de médicos desavisados, amordaça parte significativa da imprensa, e deixa milhões de brasileiros entregues à dor, ao sofrimento e à morte.. Péssimo ato médico.

Contudo, queremos crer ainda, que provavelmente, o (s) parecerista (s) confundiram o fenômeno conhecido como MONOCITOSE com o fenômeno "pouco" conhecido da MACROFAGOCITOSE (de macrófago), em que pese os longos e profundos estudos já realizados sobre as principais funções do SISTEMA RETÍCULO ENDOTELIAL (S.R.E.), sistema este, abordado pelos 4 (quatro) distintos médicos, em seus respectivos trabalhos científicos, nos quais, afirmam eles por unanimidade, haver uma íntima relação entre SISTEMA RETÍCULO ENDOTELIAL (S.R.E.), MACRÓFAGOS e o fortalecimento das atividades do SISTEMA IMUNOLÓGICO.

Do ponto de vista imunológico, a distância entre a MONOCITOSE e a MACROFAGOCITOSE é quilométrica. Lembramos aos atenciosos leitores a criação da lupa, a invenção do microscópio óptico, a evolução da microscopia eletrônica, e o avanço espantoso da nanotecnologia. Então, à luz da ciência - inclusive da imunologia - é preciso diferenciarmos muito bem a MONOCITOSE da MACROFAGOCITOSE. É o que veremos em outro (s) artigo (s).

MACROFAGOFILIA neles, abaixo o efeito placebo, abaixo a MONOCITOSE e acima a inofensiva auto-hemoterapia. Se Deus nos permitir voltaremos outro dia. Bom dia.

(a*) - Um filme "proibido" pelas entidades médicas no início da década de 70, no Brasil. (b*) - Um filme. (c*) - Outro filme interessante. (d*) - O autor, a que se refere o parecer do CFM, é o Dr. Jésse Teixeira, falecido há muito tempo.

Aracaju, 26 de abril de 2012.



Jorge Martins Cardoso - Médico - CRM 573.



Fontes: (1) - Autohemotransfusion In Preventing Postoperative Lung Complications - Dr. Michael W. Mettenleiter (médico) - M.D., F.A.C.S. - Instructor in Surgery, New York Post-Graduate Hospital Medical School and Hospital - New York - American Journal of Surgery - Maio de 1936 - Páginas 321, 323 e 323 - (2) - Autohemotransfusão: Complicações Pulmonares Postoperatórias - Contribuição à sua Prophylaxia - Dr. Jésse Teixeira - Trabalho premiado pela Sociedade Acadêmica de Medicina e Cirurgia - premio de Cirurgia de 1939 - Publicado em Brasil - Cirurgico - VOL II - MARÇO de 1940 - NUM: 3 - Orgão Oficial da Sociedade Medico-Cirúrgica do Hospital da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro - Fundadores: Profs. : Brandão Filho e Oswaldo de Araújo - Diretor-responsável - Prof. Oswaldo de Araújo. (3) - Imunoterapia: O impacto médico do século - Dr. Ricardo Veronesi* (médico) - Medicina de Hoje - Março de 1976 - (9 páginas). * Entre outros títulos, Dr. Veronesi foi Ex-fellow da "The Rockefeller Foundation", Consultor da Academia de Ciências dos Estados Unidos e Membro do Comitê de Peritos em Doenças Bacterianas da Organização Mundial da Saúde. (4) - Auto-hemoterapia - Contribuição para a saúde - DVD/2004 - Dr. Luiz Moura (médico) - Duração: 2 horas e 37 minutos. (5) - Parecer CFM nº 12/2007 na íntegra - Interessado: Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA - Assunto: Auto-hemoterapia - Relator: Dr. Munir Massud (médico) - página 15 - Brasília-DF, 26 de outubro de 2007 - (35 páginas).




Fonte: http://www.rnsites.com.br/auto-hemoterapia-jmc94.htm
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://terapeutaosmar.forumtupi.net
 
Auto-hemoterapia, Dr. Fleming e os antibióticos... (94)
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Antibióticos
» AUTO-HEMOTERAPIA - Ampliado Vale a Pena Conhecer
» Antibiotico (amoxicilina) + paroxetina + xanax xr AJUDA
» Valores críticos e extremos.
» Elétrons mais energéticos

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Terapeuta Holístico Osmar Cláudio :: Terapeuta Holístico Osmar Claudio :: Centro de Terapia Holística Casa das Raizes-
Ir para: